Igualdade de Gênero

A superpreguiça! – Robert Starling

(2 avaliações de clientes)

R$42,00

O livro enviado para as crianças de 0 a 3 anos assinantes do clube Minha Pequena Feminista em Abril de 2022 se chama A superpreguiça. O livro foi escrito e ilustrado por Robert Starling e traduzido Gilda de Aquino.

Esta é a história de uma preguiça comum, que vivia num galho comum, em uma árvore comum, em uma floresta comum, em que nada de muito diferente ou extraordinário acontecia.

Porém, um dia, a preguiça encontra uma história em quadrinhos de um valente super-herói. Será que a preguiça poderia ser super-heroína também?

Quando o tamanduá rouba as mangas dos outros bichos, ela tem a chance de testar suas habilidades. Mas como uma leeeenta preguiça vai apanhar um ágil larápio?

Nesta divertida e colorida história, escrita e ilustrada por Robert Starling, vamos descobrir o poder transformador da literatura – e também que o que parece ser uma fraqueza pode se transformar na nossa maior habilidade.

Junto com o livro, enviamos também uma carta com orientações escrita por nossa curadora, a psicóloga feminista Lavínia Palma (@psicologalavinia).

Conteúdo:

-Livro: A superpreguiça! – Robert Starling

-Carta aos adultos escrita pela curadoria do clube Minha Pequena Feminista com reflexões sobre o livro para discutir com as crianças

-Idade Recomendada: De 0 a 5 anos

-Editora: Brinque-Book

Em estoque

SKU: 1184434 Categorias: , ,

2 avaliações para A superpreguiça! – Robert Starling

3,5
Baseando-se em 2 avaliações
5 estrelas
50
50%
4 estrelas
0%
3 estrelas
0%
2 estrelas
50
50%
1 estrela
0%
  1. Carla

    A história é muito bonita e os desenhos encantaram meu filho de 1 ano e meio. Super recomendo!

    (0) (0)
  2. Juliana Rechetelo

    Apesar da nossa filha amar esse livro e pedir quase toda a noite, esse foi um dos menos favoritos. Nós queremos construir boas relações dela com os animais. Nossa filha tem até um tamanduá de pelúcia, então nosso medo, quando o tamanduá aparece como vilão, ladrão, foi o de desconstruir a imagem boa que ela já tinha em relação ao animal. Realmente achamos que o autor poderia ter tido mais sensibilidade na história, trazer a preguiça como super heroína mas não palavras pesadas contra o tamanduá. Quando ‘lemos’ aqui em casa a gente fala que ele pegou todas as mangas, falamos da importância de dividir e trazemos outros ensinamentos que consideramos mais relevantes, não deixando um animal como o ‘malvado’. O ponto forte é trazer animais mais brasileiros e da América do Sul (não somente os africanos), podemos falar da preguiça e suas características e isso é legal.

    (0) (0)
Adicionar uma avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *